Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
A Oficina
Centro Cultural Vila Flor
Centro Internacional das Artes José de Guimarães
Casa da Memória de Guimarães
Centro de Criação de Candoso
Teatro Oficina
Educação e Mediação Cultural
A Oficina
Centro Cultural Vila Flor
Centro Internacional das Artes José de Guimarães
Casa da Memória de Guimarães
Centro de Criação de Candoso
Teatro Oficina
Educação e Mediação Cultural
Loja Oficina

Voltar

CCVF

/

Palácio

SÁBADO 10 DEZEMBRO, 16H00

O verdadeiro lado da manta

Inauguração da exposição
Exposições

Todas as idades

Sara & André desafiaram dois dos mentores do Estúdio Origami (Caldas da Rainha), Filipe Feijão e Antónia Labaredas, a pensarem a ideia de comunidade. O convite ampliou-se e abriu espaço a outros artistas, Fernando Travassos, Miguel Ângelo Marques, Rubene Palma Ramos, Vanda Madureira e Vasco Costa que, fechando o círculo (ou deixando-o em aberto), ajudaram a definir e a convocar uma constelação de objetos artísticos e a sua comunidade. 

Uma proposta de Sara & André em diálogo com 
Antónia Labaredas, Filipe Feijão, Fernando Travassos, Miguel Ângelo Marques, Rubene Palma Ramos, Vanda Madureira, Vasco Costa 

Participações de 
A kills B, Ana Rita António, António Veiga Leitão, Artista Residente, Colectivo MIO, Daniel Barroca, Francisco Luzio, Hugo Canoilas, João Ferro Martins, João Gancho, Jorge das Neves, Leonel Matias, Maria Armanda Pereira, Nuno Simão, Pedro Ferreira, PIZZ BUIN, Ricardo Norte, Ricardo Pimentel, Sara Costa Carvalho e ainda Fernando Poeiras, Gonçalo Pena e Nayara Siler

NO DIA DA INAUGURAÇÃO

Performances de:

 

Vanda Madureira em colaboração com: Eneida Lombe Tavares, Mafalda Santos e Tiago Norte, Do outro lado da manta-Artista Residente act, 10 de dezembro, 2022, Ação, 13`

A artista incorpora o Artista Residente, alter-ego coletivo que opera entre a possibilidade e a impossibilidade do objeto artístico. Através da sua voz e olhar, o Artista Residente atua sobre a própria exposição, visando a sua dilatação, num algo mais que fale da prática artística, quando ela era cacofonia, escolha, dúvida e sobretudo otimismo critico, despojado de toda a cena artística.

 

Candido Efeémer, PENDULUM MUSIC | STEVE REICH, 4 microfones, 4 amplificadores, 1 performer duração aproximada: 25’

Pendulum Music (para Microfones, Amplificadores e Performers) é uma obra composta por Steve Reich em agosto de 1968 para microfones suspensos e speakers amplificados, criando feedbacks em phasing uns com os outros, através de diferentes movimentos pendulares. Nesta versão estendida de Candido Efeémer, a peça vai para além das notações de Reich, que, entre outras indicações, determinavam o seu final no término do movimento pendular expressivo dos microfones, quando estes começam a produzir um feedback contínuo. O resultado é um drone hipnótico gerado pelo phasing cada vez mais subtil e intenso dos microfones que, na verdade, nunca encontram essa posição de repouso total.

_

Exposição patente até 4 março 2023

Preço 2,00 eur / 1,00 eur c/d

_

terça a sexta 10h00-17h00

sábado 11h00-18h00

Website desenvolvido por BondHabits